sábado, 31 de janeiro de 2015

Quina Mineira é a Vieirina?

Os primeiros historiadores do Brasil, em suas referencias as plantas medicinais e às endemias então reinantes, silenciaram a respeito dos principais vegetais atualmente usados como febrífugos. Gabriel Soares, Fernão Cardim, Gandavo, Piso e Marcgrav não se referem às plantas conhecidas por Quinas.
Remijia ferrugínea , St Hill
Foi preciso surgir Quineiras peruanas, com seu cortejo de benefícios, para que também aparecessem as numerosas Falsas Quinas nacionais.
O aparecimento em nosso país, de numerosas plantas denominadas como Quina, teve início o premio de valor instituído pelo governo colonial aquele que descobrisse uma Quiona igual a do Peru.
Quina d Piaui ou Quina de D. Diogo, a qual foi posteriormente classificada como Exostema Souzanum, Mart, passando depois para Coutarea hexandra, Schum, tida naquela época como um ótimo sucedâneo das legitimas Cinchona.
Velloso dedicou estudos desta planta, uma de suas notáveis obras, a Quinografia Portugueza.
Dentre estas espécies vegetais, ressalta como a de uso mais difundido, a conhecida por Quina de Remigio ou Quina da Serra. Esta, foi estudada pela primeira vez em 1850, pelo Dr Vieira de Mattos, a qual isolou de suas cascas, uma mistura complexa e muito amarga, de grande voga no século passado e a qual chamavam impropriamente Vieirina ou Vieirino.
St Hilairie atribuiu esta droga a atual Remijia ferrugínea (St. Hill) D.C. (Cinchona ferrugínea, ST Hilaire).
Ladenbergia hexandra
Outra espécie de uso também bastante difundido, é a conhecida por Quina do Rio Quina de folha larga ou Quina vermelha do Rio, a Ladenbergia hexandra (Pohl) Klotsch
A Farmacopeia Brasileira, também atribui a planta atualmente conhecida como Quina mineira, Quina da serra, Quina de Remigio e Quina remijio, a mesma origem indicada por Saint Hilaire; todavia, examinando numerosas partidas da droga existente no comercio do Rio de Janeiro sob esta denominação verificamos que tal não acontecia. As cascas assim expostas a venda foram extraídas de árvores de grande porte, contrariamente as que podem fornecer os exemplares de Remijia ferrugínea ( S. Hil.) D. C, pequeno arbusto.
Com material botânico completo, obtido de material existente na Parada Joaquim Ovidio, Estado do Rio, tivemos ocasião de determinar a espécie fornecedora de tal droga, a Ladenbergia hexandra (Pohl) Klotsch, mencionada nas obras a respeito, como fornecedora da Quina do Rio, Quina de folha larga, Quina vermelha do Rio, etc.
Confrontamos a droga fornecida pela Ladenbergia hexandra com que fornece a Remijia ferrugínea ( St. Hill) D.C.
Esta última era proveniente de material completo que devemos a gentileza ao botânico Dr. Mello Barreto, chefe do Horto Botânico de Belo Horizonte.
No entanto, nunca tivemos oportunidade de encontrar um só grama das cascas provenientes de exemplares da Remijia ferrugínea (St. Hil).
Uma dúvida no entanto persiste; é verificar si a Vieirina, tão empregada no século passado, foi extraída de cascas de legitima Remijia ferrugínea ou de casca de Ladenbergia hexandra.


Bibliografia: Peckolt, Oswaldo de Lazzarini – Revista da Flora Medicinal - 1938

Nenhum comentário:

Postar um comentário